Gestão de Procedimentos Operacionais em Corretoras de Seguros

bpmn-logo

Gestão de Parcelas em Atraso

Reflita e confira. A sua Corretora está com todos os Procedimentos Operacionais Padrão estabelecidos, praticados e verificados?

A gestão de Procedimentos Operacionais Padrão – POP´s é de vital importância para as empresas, em especial para Corretoras de Seguros que atuam em um mercado cuja proposta é garantir coberturas sobre riscos.

A própria natureza e complexidade do processo de contratação e gestão das apólices de seguros indica que as Corretoras de Seguros devem estabelecer e manter em contínuo refinamento os seus procedimentos operacionais padrão.

Também é importante destacar que as diferentes seguradoras com as quais a Corretora de Seguros se relaciona têm procedimentos operacionais distintos para um mesmo processo, o que eleva em muito a complexidade para que as Corretoras de Seguros conheçam e façam a gestão adequada das contrações de apólices.

O objetivo de um POP é o de estabelecer e manter uma padronização, tendo sido claramente programados os resultados esperados com os procedimentos, especificados e ‘linkados’  tarefa por tarefa. POP´s são formalizados de maneira clara e objetiva, de modo a permitir que qualquer pessoa possa reproduzi-los com um mínimo de esforço durante a aprendizagem e com possibilidade ‘zero’ de falhas na execução.

Procedimentos Operacionais bem estabelecidos trazem muitos benefícios às organizações. Aumentam a qualidade dos serviços, diminuem os custos operacionais, reduzem a curva de aprendizagem de novos colaboradores, garantem que o conhecimento produzido fique na empresa e não se perca em caso de ‘turnover’ de funcionários. E o mais importante, os POP´s minimizam as possibilidades de falhas que podem causar grandes prejuízos.

Uma Corretora de Seguros que não tenha seus POP´s bem estabelecidos está sujeita a erros que podem significar prejuízos de alto valor pelos bens segurados através da Corretora – pode vir a ser um carro, um imóvel ou uma vida!

E existem falhas que nem mesmo uma boa apólice de Responsabilidade Civil pode repor, pois as falhas não detectadas que vierem a ser classificadas como de má fé da parte de algum funcionário inescrupuloso, não têm cobertura de RC – Responsabilidade Civil.

Uma situação que se caracterize má fé, portanto sem cobertura pelo seguro de RC, pode decretar a falência da empresa, dependendo do prejuízo gerado para um cliente. Tudo isto sem contar os prejuízos em credibilidade no mercado.

Elaboramos um E-Book que contextualiza um POP muito importante para as Corretoras de Seguros. Trata-se da Gestão de Parcelas em Atraso.

As considerações são de caráter geral, mas se aplicam a todas as Corretoras de Seguros que devem criar seus POP´s segundo suas particularidades e estilos de gestão.

Obter E-book Grátis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *